terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Opinião - Duas Gotas de Sangue e um Corpo para a Eternidade de Carina Portugal



Inglaterra, 1594. Uma pequena aldeia, lar de Alaina e Leonora, irmãs gémeas e uma espécie de curandeiras.
A história começa com a queima em praça publica de Beaumont, um curandeiro acusado de bruxaria. Este antes de ser completamente consumido pelas chamas amaldiçoa a aldeia:

Por este crime, todos os que me consideram culpado, todos os que conjuraram a minha morte, todos os que incriminam os inocentes serão perseguidos pelos vossos piores pesadelos! Os demónios consumir-vos-ão a alma! Eu vos amaldiçoo para toda a eternidade, malditos!

Esta é um das duas "profecias" que irão guiar a narrativa, não revelo a outra porque não é tão óbvia (digo eu) e claro porque iria estragar a história a quem ainda não leu. E assim se inicia um conto onde o sobrenatural irá estar sempre presente, mas em que o principal é a historia destas duas irmãs que tem muitos segredos, e que até a mim me surpreenderam (e muito).

O sobrenatural estará sempre presente, claro, perto, mas lá fora, longe da vista, mas os seus efeitos irão sentir-se e comandar parte da narrativa. O "resto" é o segredo que elas guardam e escondem pelas consequências que teria se fosse descoberto. Com Arte e Mestria a Carina foi-me enredando na narrativa e quando o final chegou, apesar de uma parte de mim já o esperar, ainda assim não deixei de ficar atordoado e maravilhado ao mesmo tempo. Curiosos? Espero que sim.

Foi uma história que me deu grande prazer ler muito por culpa da excelente narrativa da Carina. Uma narrativa não só bem escrita (e revista), em que cada peça é colocada no momento certo, não existem elementos a mais ou a menos. Não existe pressa nem preguiça na narrativa. Este sentido de tempo é difícil de encontrar num autor novo, mas a Carina consegui neste conto fazê-lo na perfeição.

Se tivesse de apontar um defeito a esta obra seria apenas o local onde se passa, Inglaterra, a serio?! Pessoalmente achava que bem que se poderia ter passado em Portugal ou então não mencionar o local pura e simplesmente. Mas isto sou só eu a tentar colocar defeitos a uma obra que de outro modo considero (quase) perfeita.