quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Opinião - The Happy Unfortunate de Robert Silverberg



The Happy Unfortune é um conto de FC de Robert Silverberg, originalmente publicado na Amazing Stories em 1957 e que nos "transporta" cerca de cinco séculos para o futuro, para um Universo onde a Humanidade já conquistou o sistema Solar, mas para isso teve de se "dividir" em duas, os Earthers e os Spacer, os primeiros são fracos fisicamente e por isso não podem sair do planeta Terra, os segundos são altos e fortes "criados" para suportarem os rigores das descolagens e viagens espaciais. O personagem principal é um Spacer chamado Rolf Dekker, um jovem com vinte (e poucos anos) acabado de chegar de uma missão de cinco anos, rico, como todos os outros Spacers, mas não na Terra, onde são (quase) ostracizados e vivem numa espécie de cidade gueto chamada Spacertown. Rolf Dekker vive o sonho de se tornar um Earther, pois odeia quem é, e assim recuperar a vida que tinha antes de a avó descobrir o que ele era. Contrariamente muitos Earthers querem poder viajar para as estrelas que apenas podem contemplar. Depois de algumas peripécias onde o autor nos mostra a sociedade dos Earthers a caminho da decadência, onde se sucedem as modas de transformação do corpo, e da xenofobia entre as duas Humanidades, o personagem acaba por, claro, aceitar quem é e o que é.
Um conto com algumas partes e ideias interessantes, mas que ainda assim não ficará na memoria por muito tempo, pois falta-lhe aquele elemento que torna uma historia, pequena ou grande, memorável.